Nova Cidadania
Liberdade e Responsabilidade Pessoal
Patrocinios
SEGUE-NOS EM:

Image


Academia das Ciências Houve uma Idade de Ouro na Nossa Cultura?

Não pode haver uma resposta unívoca. Mas, mais de um século passado, e vendo- se o longo prazo, percebemos que essa Geração singular e influente, teve uma genial intuição – a de que urgiria apostar na abertura, na diversidade, do cosmopolitismo.

Sem negar o valor de alguns dos clássicos portugueses, devo dizer que, em meu entender, a literatura portuguesa, que merece ler-se, data do século passado, do período romântico, da época de Almeida Garrett e de Herculano. E creio que a sua verdadeira idade de ouro é a atual

Assim se exprime Unamuno sobre a literatura portuguesa, em texto datado de Salamanca, de março de 1907. De que fala o pensador? Terá ele razão? Naturalmente, das repercussões poderosas na geração de 1870, não es- condendo profunda admiração pelos seus protagonistas – Antero de Quental, Oliveira Martins, Eça de Queiroz, Guerra Junqueiro e Ramalho Ortigão. Os três primeiros já não faziam parte do número dos vivos, mas os dois últimos ainda estavam presentes. E o mestre salmantino invoca uma célebre con- versa com Junqueiro: «O Cristo espanhol, dizia-me uma vez Guerra Junqueiro, está sempre no seu papel trágico: nunca baixa da cruz, onde, cadavérico, estende os seus braços e alarga as suas pernas cobertas de sangue; o Cristo português anda por costas e prados e montanhas, com a gente do povo, diverte-se com eles, merenda, e de vez em quando por pouco, para desempenhar o seu papel, regressa à cruz. (...) Aqui há o culto da morte; só que em vez de ser trágico, como em Espanha, é elegíaco e triste»... E ao dizer isto, o mestre sente encantamento. É verdade que não deixa de reconhecer, por comparação, as virtudes da literatura catalã, mas nas letras portuguesas vê um sinal da originalidade e o selo de uma identidade viva. E considera João de Deus o mais português dos nossos líricos do momento, corroborando Junqueiro esta consideração sentida. Mas Antero de Quental é outra coisa – comparável aos maiores na filosofia e na sensibilidade poética. «Em Espanha não temos nada que se assemelhe. Campoamor é a seu lado um falsificador do ceticismo. Quental foi uma das almas mais atormentadas pela sede de infinito e pela fome de eternidade. Há sonetos seus que viverão enquanto viva a memória das gentes, porque serão traduzidos, mais tarde ou mais cedo, em todas as línguas dos homens atormentados pelo olhar da esfinge». António Nobre apresenta o tom de um desespero resignado ou de resignação desesperada, que aparece noutros passos da literatura portuguesa.

 

O acesso aos artigos é limitado aos assinantes da revista Nova Cidadania. Se ainda não assinou a revista, pode fazê-lo aqui.

Se já for assinante da revista Nova Cidadania e ainda não tiver login, contacte-nos p.f. através do endereço info@novacidadania.pt.

É necessário efectuar a sua autenticação para aceder a este artigo.

Se já tinha efectuado a autenticação, a duração da sua sessão terá terminado.

Volte à Página Principal e repita a autenticação.

Obrigado

© 2018 Nova Cidadania
Powered by Angulo Sólido.